A devoção a este ou aquele santo não é obrigatória. Mas, com a Virgem Santíssima não é assim.

03/10/2014 23:51

 Desde o tempo dos apóstolos, a Igreja ensina que Nossa Senhora possui um papel determinante na salvação da humanidade 

Em que consiste a expressão  "Nova Eva" , comumente usada para se referir à Virgem Maria: "Como Eva esteve unida ao primeiro homem na obra da perdição, Maria devia estar unida ao Redentor na obra da reparação".

O termo, "Nova Eva" traz à luz a realidade de que Maria cooperou na redenção, junto com Jesus:

"Como Eva cooperou moralmente para a queda, cedendo à tentação do demônio, por um ato de desobediência e induzindo Adão ao pecado, Maria, pelo contrário, nova Eva, cooperou moralmente em nossa redenção, conforme o plano divino, crendo nas palavras do arcanjo Gabriel e consentindo livremente no mistério da Encarnação redentora e em todos os sofrimentos que dele se deduziriam para seu Filho e para ela." “Maria, certamente, não é a causa principal e efetiva da redenção”.

Mas Maria é realmente causa secundária, subordinada a Cristo e dispositiva de nossa redenção. Diz-se 'subordinada a Cristo', não só no sentido de que é inferior, mas também porque concorre à nossa salvação por uma graça proveniente dos méritos de Cristo, e obra, pois, nele, com Ele e por Ele, in ipso, cum ipso et per ipsum. Não se deve nunca perder de vista que Cristo é o mediador universal supremo e que Maria foi resgatada pelos méritos do Salvador, por uma redenção preservadora, não libertadora, posto que fosse preservada do pecado original e logo de toda falta, pelos méritos futuros do Salvador de todos os homens.”.

Então, o Redentor é um só, Jesus, e Maria coopera nessa obra não como uma pessoa que ajuda parcialmente a puxar uma carroça, mas como uma árvore cujo fruto, em última instância, vem de Deus. Tanto Jesus quanto Maria atuam na obra da redenção, só que um de forma originária, transcendente e divina; e o outro, de forma secundária e subordinada. O fruto veio da árvore, mas tanto a árvore quanto o fruto, na verdade, vieram de Deus.

Primeiramente, é preciso entender que Maria gerou Jesus por um ato da liberdade divina. Deus, onipotente que é, serviu-se da cooperação de uma criatura humana, sem dúvida, Deus é a origem da salvação: foi Jesus quem pagou o preço por nossos pecados, morrendo na Cruz e derramando o Seu sangue por nós. Mas, quem tornou possível, com o seu "sim", que o Verbo tomasse um corpo humano, a fim de sacrificá-lo na Cruz? Foi Maria Santíssima.

Visitada pelo arcanjo Gabriel, ela deu o seu consentimento à vontade divina, tornando possível a encarnação do Verbo e a salvação do gênero humano. O fato de o próprio Todo-Poderoso fazer-se "dependente", por assim dizer, da liberdade de uma criatura, não diminui em nada a Sua obra salvífica. Pelo contrário, só a torna ainda mais maravilhosa, só mostra o quanto é eficaz a vontade de Deus.

Maria, então, ao aceitar ser Mãe do Redentor, tornou-se mãe de todos os homens.

"Maria converteu-se em nossa Mãe ao consentir livremente em ser a Mãe do Salvador, autor da graça, que nos gerou espiritualmente. Neste instante nos concebeu espiritualmente, de tal maneira que teria sido nossa Mãe adotiva por este fato, ainda que morresse antes de seu Filho."

"Quando depois Jesus consumou sua obra redentora pelo sacrifício da Cruz, Maria, ao unir-se a este sacrifício, por um ato de fé, de confiança e de amor a Deus e às almas, o maior que já existiu, converteu-se, de um modo mais perfeito, em nossa Mãe, por uma cooperação mais direta, mais íntima e mais profunda em nossa salvação."

"Além disso, neste momento, foi proclamada nossa Mãe, pelo Salvador, quando lhe disse, ao falar de João, que personificava todos os que deviam ser resgatados por seu sangue: Mulher, eis aí o vosso filho, e a João: Eis aí a vossa mãe (Jo 19, 26-27). Assim entendeu a Tradição estas palavras, porque neste momento e diante de testemunhas, o Salvador de todos os homens não outorgava este privilégio particular só a São João, mas a todos os que haviam de ser regenerados pelo sacrifício da Cruz.”.

"Estas palavras sacramentais, produziram o que significavam: Na alma de Maria um grande aumento de caridade ou de amor maternal por nós; na alma de João um afeto filial profundo e cheio de respeito pela Mãe de Deus. Esta é a origem da grande devoção a Maria."

"Finalmente, a Santíssima Virgem continua exercendo sua função de Mãe em relação a nós, velando por nós para que cresçamos em caridade e perseveremos nela, intercedendo por nós e distribuindo-nos todas as graças que recebemos." Então, a Virgem Maria, por instituição do próprio Jesus, é responsável por gerar, até o fim dos tempos, todos os homens. "Maria é nossa Mãe espiritual e adotiva, no sentido de que por sua união com Cristo Redentor, nos comunicou a vida sobrenatural da graça".


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!